Artes e violências

Rosane Kaminski, Vinícius Honesko, Luiz Carlos Sereza (orgs.)

SERGIO VILLALOBOS-RUMINOTT, MARIA ANGÉLICA MELENDI, ROSANE KAMINSKI, ARTUR FREITAS, PAULO REIS, EDUARDO PELLEJERO, ANACLETO FERRER, MÁRCIO SELIGMANN-SILVA, JAIME GINZBURG, VINÍCIUS HONESKO, LUIZ CARLOS SEREZA, CLÓVIS GRUNER, ARTHUR LIMA DE AVILA.

O livro Artes & Violências traz à discussão as complexas relações entre as linguagens artísticas e as formas de violência. É fruto das atividades integradas entre os Grupos de Pesquisa CNPq “Núcleo de Artes Visuais” (NAVIS) e “Arte, Memória e Narrativa” (AMENA). Dentre os propósitos comuns a esses grupos, está a convicção de que a arte é capaz de desestabilizar percepções e de edificar juízos críticos sobre a sociedade, bem como participar ativamente da elaboração de memórias sobre eventos que não devem ser esquecidos.

A temática do livro articula-se aos esforços de um terceiro grupo, do qual participam pesquisadores do Brasil e da Espanha, num acordo de cooperação firmado sob o projeto de pesquisa comum “Imagens de Traumas”. Como resultado dessas parcerias e dos debates ali fomentados, os capítulos desta coletânea, ao se debruçarem sobre casos históricos nacionais e internacionais em que a violência crua se sobrepõe ao poder – isto é, aquilo que na teoria do Estado é assumido como a dimensão do monopólio e uso legítimo da violência –, permitem refletir, num sentido amplo, sobre a eficácia da arte na construção de memórias sobre situações traumáticas e violentas ou, ainda, sobre a potência da arte enquanto movimento de elevação, de manutenção do que costumamos designar como humanidade. A arte faz mover, ainda que com um leve toque a partir do qual a trajetória de quem se deixa tocar se torna imprevisível. Diante da dor de uma ação violenta, a arte trama significados e faz ver o que não estava presente, abre linhas de sanidade em meio ao espasmo imobilizador e traumático que a violência, essa substância que alucina e entorpece, não cessa de produzir.

Sumário

 

7 Substâncias e tramas

ROSANE KAMINSKI, VINÍCIUS HONESKO E LUIZ CARLOS

SEREZA

 

Primeira parte: Das formas de incorporar a violência e resistir à

Destruição

 

13 La anarquía de los sentidos: el arte ante una nueva mutación antropológica

SERGIO VILLALOBOS-RUMINOTT

 

37 O testemunho impossível: entre imagens e palavras

MARIA ANGÉLICA MELENDI

 

53 Arte e imprensa: cenas da violência no Brasil

ROSANE KAMINSKI

 

85 Trouxas de sangue: notas sobre a perturbação poética ou a introjeção

da violência

ARTUR FREITAS

 

103 “Projeto Gilda”: o pulso da cidade

PAULO REIS

 

117 “A humanidade incômoda”: arte e resistência em tempos infernais

EDUARDO PELLEJERO

 

Segunda Parte: Dos modos de expor e narrar as “memórias do mal”

 

129 Un ingenioso esmero: ensayo sobre cuatro secuencias de perpetración

de la shoah

ANACLETO FERRER

 

159 Toda política é política das imagens

MÁRCIO SELIGMANN-SILVA

 

183 Fantasmagoria e violência

JAIME GINZBURG

 

195 Para além dos atos e dos silêncios: gestos de resistência no olhar

VINÍCIUS HONESKO

 

207 “Era o Hotel Cambridge”: arte, violência e refúgio

LUIZ CARLOS SEREZA

 

225 Quadros da barbárie, quadros de memória: a experiência autoritária

no Brasil, Argentina e Uruguai em três histórias em quadrinhos

CLÓVIS GRUNER

 

247 De Ferguson a Charlottesville: acumulação temporal, capitalismo

racial e a história do presente dos Estados Unidos

ARTHUR LIMA DE AVILA

 

267 Autores

​ISBN: 978-65-86255-09-6
Formato: 16x23 cm​
​Paginas: 270
​Preço: R$ 50,00

Tel: 11-2365-0744 / 94898-0000 / 99637-6186

Mail: Joaquim@intermeioscultural.com.br

​Mail: Vendas@intermeioscultural.com.br

 

Horário de Funcionamento

Segunda à Sexta

10.00h - 18.00h

© 2015

  • w-googleplus
  • w-facebook