O Estado Novo português – história, historiografia e memória

Francisco Carlos Palomares Martinho

Portugal, nos tempos atuais, tornou-se um modelo de país, sobretudo para os brasileiros. Muitos se dirigem para as terras lusitanas numa ocupação às avessas da chegada dos portugueses ao Brasil no século XVI. A política da famosa “geringonça” – aliança de partidos - resultou numa política muito bem sucedida. No entanto, poucos sabem que, para chegar à “geringonça”, um longo e penoso caminho foi trilhado pelos portugueses ao longo do século XX e início deste século. Para compreender o ineditismo dessa política de alianças é necessário retomar as raízes do período salazarista (1932-1968). Esse percurso histórico é tratado, com brilhantismo, por Francisco Carlos Palomanes Martinho, especialista na história de Portugal contemporânea que, nesta obra,  explora a ditadura de António Oliveira Salazar, o governo de seu sucessor Marcello Caetano (1968-1974) e a transição democrática concretizada na Revolução dos Cravos em abril de 1974. O autor foge das explicações simplistas e esmiúça, com rigor, toda a história do Estado Novo português, realizando uma análise abrangente da historiografia sobre o período. Investiga e esclarece o papel das elites, das classes trabalhadoras e o corporativismo, sem cair na tentação das generalizações. Analisa as características do fascismo lusitano, apontando   suas diferenças/similaridades com o fascismo italiano e se detém na  abordagem dos percalços da combalida economia portuguesa ao longo do período de 1928 a 1945. Embora a ditadura portuguesa tenha terminado há 45 anos, as pesquisas e obras sobre a sua história ainda permitem explorar lacunas.  É neste aspecto que a contribuição de Francisco Carlos se reveste de maior relevância. O autor tem amplo conhecimento sobre o período.  O Estado Novo Português: história, historiografia e memória é uma obra, não só importante do ponto de vista acadêmico, mas também necessária nos tempos de hoje, nos quais a serpente do fascismo ameaça retornar, com uma face renovada e as garras afiadas, na Europa e adjacências.

SUMÁRIO

Introdução

1. O Estado Novo na historiografia portuguesa: sobre a questão do fascismo

2. Lembrar Abril: a historiografia portuguesa e o problema da transição para a democracia

3. O dia em que Salazar venceu as eleições

4. As elites políticas do Estado Novo e o 25 de Abril: história e memória

5. Corporativismo e Organização do Trabalho no Estado Novo português

6. Marcello Caetano e a modernidade possível no Estado Novo português

7. Entre o fomento e o condicionamento: a economia portuguesa em tempos de crise (1928-1945)

8. A extrema direita portuguesa, dois pontos

9. Epístolas de dois exilados: As correspondências de Marcello Caetano e Joaquim Veríssimo Serrão (1974-1980)

Conclusão

​ISBN: 978-85-8499-187-7
Formato: 16x23 cm​
​Paginas: 194

​Preço:R$ 45,00

Tel: 11-2365-0744 / 94898-0000 / 99637-6186

Mail: Joaquim@intermeioscultural.com.br

​Mail: Vendas@intermeioscultural.com.br

 

Horário de Funcionamento

Segunda à Sexta

10.00h - 18.00h

© 2015

  • w-googleplus
  • w-facebook