Tel: 11-2365-0744 / 94898-0000 / 99637-6186

Mail: Joaquim@intermeioscultural.com.br

​Mail: Vendas@intermeioscultural.com.br

 

Horário de Funcionamento

Segunda à Sexta

10.00h - 18.00h

  • w-googleplus
  • w-facebook

© 2015

Política e negócios em São Paulo – da abertura dos portos à independência (1808-1822)

Renato de Mattos

Ao problematizar as complexas repercussões do governo joanino na América, com ênfase na atuação de grupos mercantis e autoridades metropolitanas radicadas na então capitania de São Paulo, Renato de Mattos apresenta interpretações originais para a compreensão das articulações entre política e negócios. Lidando criticamente com os fundamentos da memória que cercou a abertura dos portos em 1808, o autor vai reconstituindo as razões da importância econômica e política que São Paulo havia adquirido, entre os finais do século XVIII e início do século XIX.

Diante da nuançada sociedade colonial, das peculiaridades locais e de interesses específicos radicados nas diferentes regiões da América portuguesa, como considerar que a abertura dos portos pudesse ser compreendida de modo semelhante e sem oposições pelos diversos sujeitos históricos que foram atingidos por sua implementação? Em que medida a Carta Régia de 1808 não teria ferido interesses e posições sociais de produtores e negociantes tanto na América quanto no Reino, alimentando críticas à monarquia, ao governo e aos segmentos da sociedade que pareciam deles se beneficiar?

Por meio de narrativa e argumentos construídos no entrelaçamento entre farta bibliografia e enorme sensibilidade no trato da documentação selecionada, Renato de Mattos oferece uma leitura renovada e instigante de episódios e circunstâncias históricas que se consagraram, desde o século XIX, como emblemáticos no processo de mudanças que teriam provocado a Independência, em 1822.

SUMÁRIO

Prefácio – Entre negócios e tensões: São Paulo no início do século XIX

Cecilia Helena Salles de Oliveira

INTRODUÇÃO

 

CAPÍTULO 1 − POLÍTICA E NEGÓCIOS NA CAPITANIA DE SÃO PAULO (1788-1803)

1.1 O governo de Bernardo José de Lorena e o incremento ao comércio atlântico (1788-1797)

1.2 O governo de Antônio Manuel de Mello Castro e Mendonça e a manutenção das redes locais de comércio (1797-1803)

 

CAPÍTULO 2 − O GOVERNO DE ANTÔNIO JOSÉ DA FRANCA E HORTA E O

COMÉRCIO MARÍTIMO PAULISTA (1803-1807)

2.1 A Companhia do Alto Douro e o enraizamento de interesses mercantis em São Paulo

2.2 Dissensão e conflito em torno da navegação mercantil paulista

 

CAPÍTULO 3 − A EMISSÃO DE PASSAPORTES E A REGULAMENTAÇÃO DA

NAVEGAÇÃO MERCANTIL (1808-1809)

3.1 Novos dispositivos, velhos embates

3.2 Redes de interesses e remessa de emolumentos à Corte: a atuação do secretário de

governo paulista Sousa Chichorro

 

CAPÍTULO 4 − A CAPITANIA/PROVÍNCIA DE SÃO PAULO NAS RELAÇÕES

MERCANTIS DO IMPÉRIO PORTUGUÊS (1808-1821)

4.1 A comunidade mercantil santista nas tramas do comércio costeiro

4.2 Entre o rio Douro e o porto de Santos: a capitania/província de São Paulo nas

redes atlânticas do império português

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

REFERÊNCIAS

Fontes impressas

Fontes manuscritasBibliografia

​ISBN: 978-85-8499-144-0
Formato: 16x23 cm​
​Paginas: 304

​Preço:R$ 55,00