Tel: 11-2365-0744 / 94898-0000 / 99637-6186

Mail: Joaquim@intermeioscultural.com.br

​Mail: Vendas@intermeioscultural.com.br

 

Horário de Funcionamento

Segunda à Sexta

10.00h - 18.00h

  • w-googleplus
  • w-facebook

© 2015

Práticas religiosas, errância e vida cotidiana no Brasil (finais do século XIX e inícios do XX)

Maria Cristina Cortez Wissenbach

Este livro tem como tema central o estudo das práticas religiosas em seus nexos com a história social de São Paulo e do Brasil da última década do século XIX até as primeiras do século XX. Dialoga com pesquisas anteriores que demostraram a importância de uma religiosidade difusa oriunda de crenças africanas e afro-brasileiras no processo de luta contra a reificação pretendida pelo regime escravista. Inscrita na organização do dia a dia de escravos e forros e nas ações de curandeiros e feiticeiros, insinuava-se a força de uma sensibilidade religiosa transformada em componente essencial de processos cognitivos por meio dos quais estes grupos pensavam a si próprios e se compatibilizavam com a realidade imposta.

O contato com a documentação criminal e com as notícias da imprensa sobre as práticas religiosas demonstrou, no entanto, que a problemática envolvida nos novos tempos era mais complexa.

Principalmente de que não se tratava de simples permanência de crenças e de tradições do catolicismo popular e da religiosidade de matriz africana, mas de um cenário de revivescência dos mais variados credos e crenças, denotando, em outros termos, o teor das transformações ocorridas desde os finais do Império. De um lado, a Abolição e a República, a errância de homens e mulheres em busca do ganha-pão ou fugindo das estruturas de mando, as lutas travadas em Canudos e no Contestado, e de outro lado, a aceleração da urbanização com a chegada de milhões de imigrantes e migrantes. Tais movimentos foram acompanhados pelo alastramento de vertentes do pensamento espiritual: a difusão do espiritismo, as teorias e práticas do magnetismo animal, a ciência do ocultismo, a quiromancia e a cartomancia mesclavam-se às tradições existentes e moldavam práticas e figuras sociais multifacetadas.

Aludiam ao clima de insegurança e evidenciavam os sobressaltos, oferecendo um quadro revelador do custo social dos processos históricos em curso.

SUMÁRIO

Capítulo 1
ritos e crenças de homens livres no pós-emancipação

Mobilidade, fluxos populacionais e valores num universo

em acentuada transformação

Condições de vida e crenças de populações rurais

Doenças, crenças e cenários do sagrado

Religiosidades e festas rurais

“Tronco de graúna, boi não pode com ele, andorinha é quem carrega”:

culturas africanas e afro-brasileiras no contexto da escravização e da liberdade

Capítulo 2
Dissonâncias sociais na cidade moderna

Condições de vida e sanitarismo nas cidades dos inícios do século

Trabalhar e viver no mundo das cidades

Capítulo 3
religiosidade e Magia nas primeiras décadas do século XX

A efervescência espiritualista nas cidades da virada do século

O “commercio da illusão” na ótica da imprensa

O misticismo popular na visão da ciência

As leis antimagia e a repressão

Capítulo 4
Espaços sociais das crenças religiosas na urbanização de São Paulo

Da resiliência de crenças e cultos na errância e no mundo da cidade

As [ma]cumbas e outros ritos e as demandas ordinárias

Pitonisas e feiticeiras: sentidos sociais e dimensões históricas

Os curandeiros e suas receitas

À guisa de conclusão: Os mestres Cumbas e a cidade

Fontes e bibliografia

1. DOCUMENTOS MANUSCRITOS

1.1. Arquivo do Poder Judiciário de São Paulo (APJSP)

1.2. Cartórios Criminais do Fórum João Mendes (1º ao 7º)

1.3. Arquivo do Estado de São Paulo (AESP)

1.4. Museu da Saúde Pública Emílio Ribas (MUSPER)

1.5. Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGB)

2. DOCUMENTOS IMPRESSOS

3. JORNAIS

3.1. Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo

3.2. Coleção Particular do Delegado Raphael Cantinho Filho

​ISBN: 978-85-8499-107-5
Formato:16x23 cm​
​Paginas: 256

​Preço:R$ 48,00